Comprar, vender, aluguel Casas e apartamentos em Florianópolis, Grande Florianópolis, São José

09/11/2016 | Morar junto: como dividir os gastos para duas pessoas?

Saiba o que deve ser dividido e pago por cada um ao morar junto com parceiro ou amigos, para todos terem uma boa experiência!

Morar junto: como dividir os gastos para duas pessoas?

Morar junto, além de ser uma decisão importante, requer organização financeira. Esse assunto é um dos fatores determinantes para a harmonia, seja ela a dois ou ao dividir o apartamento com um amigo.

É importante ter em mente que estabelecer como as despesas serão divididas deve ser prioridade e decidido o quanto antes para que não haja problemas, pois a falta de planejamento e disciplina financeira podem contribuir para o enfraquecimento dos laços de amizade.

Mas, afinal, como decidir quem paga o quê? Elencamos abaixo algumas dicas que poderão ajudá-lo nessa tarefa. Confira.

Comece pelos gastos básicos

A organização financeira da casa começa a partir dos gastos básicos e isso deve ser ainda mais importante quando duas (ou mais) pessoas decidem morar juntos.

O sistema de planilha é simples de ser preenchido e muito eficaz no controle dos gastos. É possível encontrar modelos prontos e bem fáceis de serem usados na internet. Na planilha devem constar gastos com: eletricidade, água, gás, IPTU, aluguel (ou prestação do crédito imobiliário) e, se morar em um apartamento, taxa de condomínio. Em alguns casos, pode-se incluir a internet e a TV a cabo como gastos de uso comum.

Gastos estabelecidos, é hora de decidir como será feita a divisão. Se você decidiu morar junto com seu parceiro, vocês podem dividir as contas igualmente, ou seja, 50% para cada um. Se o contracheque de um for maior que o do outro, vocês podem optar por dividir as contas da seguinte forma: 75% das despesas são de responsabilidade do cônjuge que ganha mais e 25% do que ganha menos (ou outra porcentagem que seja confortável para os dois).

Além dos gastos, o casal deve sempre determinar a contribuição de cada um nos investimentos em comum. Para que o controle de ganhos e despesas seja mais fácil de ser realizado, uma boa dica é abrir uma conta conjunta que os dois tenham acesso.

No caso de amigos que vão morar juntos, os mesmos critérios podem ser levados em conta, porém, quando os contracheques são diferentes, pode haver constrangimentos futuros. Por isso, o ideal é que os moradores dividam igualmente os valores.

Os moradores devem estabelecer uma data para acertarem as contas e cumprir rigorosamente com o combinado.

É fundamental deixar claro que os gastos pessoais são de responsabilidade de cada morador. Conta de celular, produtos de higiene, roupas, entre outros, devem ser pagas por quem comprou.

Guarde notas fiscais e recibos de despesas em comum

Quando o imóvel é dividido com o cônjuge, guardar as notas fiscais e recibos serve apenas para controlar os gatos. No entanto, essa dica é bastante importante para aqueles que dividem com amigos.

Se uma pessoa realizou um conserto ou comprou algo para a casa, o ideal é que se guarde o recibo ou a nota fiscal para que entre na divisão de gastos do mês. Aliás, é indicado que os moradores se reúnam uma vez ao mês para conferirem despesas e fecharem as contas.

Ao morar junto, como ficam as despesas com alimentação?

A alimentação é o tipo de despesa que costuma gerar confusão ao morar junto com amigos. Se um dos moradores passa a maior parte do dia fora de casa e se alimenta na rua, não é coerente exigir que ele divida o valor do mercado.

No entanto, se os moradores decidiram fazer uma compra coletiva e apenas um realizar o pagamento, é importante acertar a parte devida para evitar desentendimentos, afinal de contas, dividir a casa com alguém requer confiança mútua.

Hóspedes? Melhor não

Morar junto já é algo que prejudica um pouco a privacidade de cada morador. Entretanto, a boa convivência e harmonia da casa podem ser dificultadas ao hospedar parceiros ou parentes de um dos moradores.

O morador responsável pelo hóspede deve, primeiro, ter o consentimento do(s) outro(s) morador(es) para trazê-lo para casa e, além disso, aumentar a sua parte na contribuição com as despesas.

Um “convidado” que se estende por mais tempo que o desejado gera despesas extras que não devem ser compartilhadas com os outros. No caso de algum objeto ser danificado, o morador deve providenciar o conserto ou a reposição do mesmo o mais rápido possível.

Cumprir com suas obrigações individuais é essencial para quem deseja morar junto.

0