Comprar, vender, aluguel Casas e apartamentos em Florianópolis, Grande Florianópolis, São José

  • +55 (48) 3330 1600 / +55 (48) 9172 9993

05/01/2015 | As áreas de Florianópolis com maior potencial de valorização

Alterações no Plano Diretor da cidade causam momento de dúvida em relação aos preços praticados e ao perfil de construção em cada região.DivulgaçãoBairro Campeche

Florianópolis é destino dos sonhos de inúmeras pessoas que privilegiam o contato com a natureza, o estímulo aos esportes e a rotina de vida mais tranquila do que a levada em outros lugares. A cidade está crescendo e expandindo para longe do centro, sendo que algumas áreas se despontam como zonas potenciais de valorização. A região do Floripa Shopping, na SC-401, o Campeche e o Saco dos Limões são apontadas por Lucas Madalosso, vice-presidente administrativo-financeiro do Secovi Florianópolis e Tubarão, como áreas que podem ter os valores aumentados nos próximos anos. 

"No Campeche e Saco dos Limões, a procura maior é pelos empreendimentos residenciais, tanto para aluguel, como para a compra. Já na SC-401, privilegia-se os comerciais, pois essa é a maior vocação da região", acredita Madalosso.Veja o mapa com as áreas que devem se valorizar em Florianópolis (clique aqui para amplia-lá)Helio Bairros, presidente do Sinduscon da Grande Florianópolis, explica que, nesse momento de dúvidas em relação às mudanças promovidas pelo novo Plano Diretor, é difícil indicar zonas de valorização na cidade, já que a restrição em relação a determinados projetos pode mudar as características da construção civil observadas hoje. O Campeche, por exemplo, é visto como um potencial pelas belezas naturais, pela disponibilidade de terrenos e pelas melhorias no sistema viário que já estão em andamento, passa a ter restrições na altura dos empreendimentos com a nova lei, modificando o tipo de investimento que tem recebido nos últimos anos. "Se for confirmada a limitação no Campeche, o bairro passa a receber somente sobrados. Assim, eu descartaria da relação dos que tem maior potencial de valorização, já que a diminuição de investimentos na construção civil significa, a longo prazo, menos investimentos públicos também, o que faz com que a região não cresça", demonstra Bairros.Além dessas regiões, o presidente do Sinduscon também aponta a parte do continente, em especial o bairro Coqueiros, como área que tem recebido investimentos. No local, o preço praticado por apartamentos e casas foi em torno de R$ 548.158,62 em 2013, segundo o mesmo levantamento do Pense Imóveis. Apesar das informações, Helio Bairros acredita que é difícil garantir os espaços mais valorizados para o mercado imobiliário nos próximos anos, já que os reflexos do novo Plano Diretor aparecerão em dois ou três anos. Lucas Madalosso  conta que, além da insegurança jurídica para as construtoras, pela dificuldade de se calcular o potencial construtivo de um local, também há restrições na altura máxima dos empreendimentos em diversos bairros. " Temos que observar também que a maioria das regiões perdeu potencial construtivo. No bairro Carvoeira, por exemplo, um prédio podia chegar a até nove pavimentos, mais térreo e andar de garagens. Agora, o limite é de cinco andares, já considerando garagem e térreo. Dessa forma, a tendência é que haja uma elevação forte no valor dos imóveis, pois imaginamos que os proprietários de terrenos não irão baixar os preços de acordo com a perda de volume de obra imposta pelo PD. "*Colaborou Letícia BernardinoFonte: Revista Pense Imóveis.

0