Comprar, vender, aluguel Casas e apartamentos em Florianópolis, Grande Florianópolis, São José

22/10/2013 | Nova classe média investe em imóveis

Agronegócio e novas indústrias incentivam o mercado imobiliário na faixa do programa Minha Casa Minha Vida no Centro-Oeste O desenvolvimento do agronegócio, a ampliação dos parques industriais e o fortalecimento do comércio e serviços dão cada vez mais condições à população do Centro-Oeste para aquisição do primeiro imóvel ou para que possa conquistar novos patamares de moradia. Nesse cenário, a nova classe média segue dando o tom ao mercado imobiliário da região.
 
Em Mato Grosso do Sul, passada a euforia entre 2008 e 2010, o mercado imobiliário têm vivido uma fase de equilíbrio. "Principalmente em 2012 e 2013, sentimos que há uma acomodação, inclusive de preços", diz Marcos Augusto Netto, presidente do Sindicato da Habitação (Secovi-MS).
 
Por exemplo, em maio, durante uma grande feira do setor em Campo Grande, as promoções marcaram as estratégias das empresas. Segundo ele, isso é sinal que setor avançou de um estágio muito incipiente para um patamar mais sólido.
 
"Hoje, o mercado imobiliário existe, é ativo. Assim como na linha branca e em veículos, as construtoras e incorporadoras passaram a oferecer bônus e descontos nos imóveis, apostam em algum tipo de diferencial", comenta.
 
Em algumas regiões, para determinados tipos de apartamentos, há superoferta. É o caso do bairro Rita Vieira, com estoque alto de apartamentos entre R$ 185 mil e R$ 210 mil, permitindo que os clientes tenham mais chances para negociar as melhores oportunidades.
 
Contudo, em Mato Grosso do Sul, os empreendimentos dentro do programa do Governo Federal Minha Casa Minha Vida são o destaque. A grande procura é por apartamentos entre R$ 110 mil e R$ 170 mil, de 45 a 65 metros quadrados, com dois ou três quartos. "É onde a demanda está realmente mais aquecida", enfatiza Netto.
 
Segundo ele, na capital, por exemplo, todos os bairros têm sido contemplados com o programa.
 
No segmento comercial, o que chama a atenção é o grande número de lojas de atacarejo, que vendem tanto no atacado como no varejo, acrescenta Netto do Secovi-MS. "Todas as bandeiras se estabeleceram aqui", afirma.
 
Além do positivo desempenho do agronegócio na região, nos últimos anos o Estado têm atraído muitas indústrias, alavancando ainda mais a economia, que já contava com comércio e funcionalismo público fortes.
 
CrescimentoO Estado do Mato Grosso cuja produção de grãos dobrou nos últimos quatro anos, tem crescido acima do PIB do País. Cuiabá, a capital, foi escolhida como uma das sedes dos jogos da Copa e tem recebido muitos investimentos em infraestrutura. Por esses motivos, o setor imobiliário vive clima positivo.
 
Segundo levantamento do Secovi do Mato Grosso, este ano serão entregues 80 edifícios residenciais. Em 2014, serão mais 47 torres e, em 2015 estão previstas 49. Após ter passado por um período de acomodação, o mercado imobiliário avança este ano.
 
"Estamos vendendo 15% a mais do que 2012. Este é um ano de recuperação", destaca Rogério Fabian Iwankiw, diretor regional do grupo Plaenge Cuiabá. A construtora paranaense que atua no Centro-Oeste - há 30 anos em Cuiabá e há 25 anos em Campo Grande -, é considerada uma das maiores da região.
 
Em Cuiabá, o grupo está erguendo 20 torres, sendo 11 pela Vanguard Home, marca voltada ao segmento de primeira moradia com apartamentos de R$ 250 mil, em média, em uma faixa superior ao Minha Casa Minha Vida, e outras 9 torres pela Plaenge, que comercializa imóveis de R$ 250 mil a R$ 500 mil.
 
Já em Campo Grande, estão em construção 27 edifícios residenciais, sendo 12 pela Vanguard Home e 15 pela Plaenge. "Ambos os segmentos estão aquecidos", avalia.
 
Os empreendimentos comerciais avançaram nos últimos anos, mas em 2013 diminuiu o ritmo de lançamentos. Porém, Cuiabá já conta com três shoppings e está em andamento o projeto de um quarto.
 
No Estado de Goiás, o Minha Casa Minha Vida se expande no interior. "Em Goiânia, os preços dos terrenos inviabilizam o programa", explica Marcelo Baiocchi Carneiro, presidente do Sindicato da Habitação de Goiás.
 
Na capital, predominam as vendas de apartamentos entre R$ 150 mil a R$ 300 mil, de 50 a 120 metros quadrados, com dois ou três quartos. Na Grande Goiânia, ganham fôlego os empreendimentos comerciais. As salas em lançamento chegam a custar R$ 6 mil reais o metro quadrado.
 
EstabilizaçãoNo Distrito Federal, de modo geral, é mais intensa a comercialização de imóveis acima da faixa do Minha Casa Minha Vida. "Porém, hoje, temos estoque, é possível encontrar qualquer tipo de imóvel, coisa que há dois anos não acontecia. Não há queda abrupta de preço, apenas uma estabilização porque existe oferta, as pessoas podem comprar com mais tranquilidade", ressalta Carlos Hiram Bentes David, presidente do Secovi-DF. 
 
Daniela Rocha 
 
Fonte: Estadão 
0